10 setembro 2016

Adeus Ana e Mia - A Verdade Que Nunca Te Contaram

Olá! Para você que me acompanha/acompanhou, ou nem me conhece, por favor, leia o post a seguir. Ou pelo menos um pouco dele. Eu prometo, com todo o coração, que você não se arrependerá!

Se você assim como eu, quer ou está vivendo com um transtorno alimentar, quero te dizer que não estou aqui para aquele clichê de "Saiam dessa vida de Ana e Mia pois é ruim para vocês". Apenas estou querendo contar a minha história com a anorexia e bulimia. Não quero que você largue uma vida que acha ser certa, principalmente se está feliz. Só quero uma chance de mostrar um lado de tudo isso que talvez você não conheça.

Ah, e se você tem qualquer relação negativa com a comida, seja vomitando, comendo pouco, tendo medo de engordar enquanto a consome, ou apenas consumindo-a demais e se sentindo estranhamente mal depois: isso é também um transtorno alimentar. E como qualquer outro, tem cura.

Você que sofre com isso, saiba que está procurando a felicidade no lugar errado. O sentimento ruim some temporariamente com a comida, mas depois ele volta. E ainda por cima estará alimentando um problema maior ainda. Mas, não precisa abandonar seus ideais se não quiser, só me dê uma chance de fazer você conhecer a minha história. Quem sabe você não se identifica com alguma coisa? Obrigada desde já!

P.S: Para quem não sabe, Ana e Mia são apelidos dados à anorexia e bulimia. Elas são personagens que retratam o ato de vomitar e parar de comer/comer pouco. São personagens humanizadas, criadas para retratar à magreza.

O blog terá postagem toda semana para quem quer saber mais sobre como se amar e encontrar a felicidade. Além disso, vou mudá-lo completamente, desde o template até o conteúdo. 


Adeus, Ana e Mia!



Olá minhas borboletas favoritas! Estou aqui hoje, escrevendo para vocês, minhas seguidoras(es), para dar oficialmente um adeus para a Ana e Mia. O blog deu muito certo, muito certo mesmo, não sabia que ia dar tão certo quanto deu. Várias garotas conseguiram emagrecer, tinha uma fila inimaginável para entrar no grupo do WhatsApp, um total de 932 comentários publicados, mais 237 aguardando moderação e um total de 75.300 visualizações... Uau. Não fazia ideia de quantas pessoas ia atingir com isso.

Eu estava muito feliz, muito mesmo. Na minha cabeça estava salvando a vida de todas essas pessoas. Eu li cada comentário, cada desabafo, via o quanto as pessoas (principalmente meninas) estavam desesperadas para emagrecer, buscando imensamente à felicidade. Eu fiquei tão feliz ao receber o primeiro comentário agradecendo pelo blog existir! Pulei de alegria! E pulei mais ainda ao receber o primeiro comentário maldoso! Sim! Kkkkk Porque com aquele comentário pude ver que o blog estava crescendo tanto que já tinha até o primeiro hater! Achava que o que eu estava oferecendo com o blog iria salvar à todas que me pediam socorro.




Desde Outubro de 2015 demorava dias para fazer cada post, lia diversas vezes a mesma frase para ter certeza de que estava bem escrita. Fazia horas de pesquisas atras das dietas mais doidas e as dicas mais eficientes. Eu me comprometi muito mesmo para fazer cada parte do blog. Passei um mês preparando o template e customizando tudo o que era possível. Suei e passei incontáveis noites em claro.

Hoje decidi excluir todo esse meu trabalho. Apagar cada um dos posts que fiz com o coração visando ajudar as pessoas. Por que? Porque eu não estava ajudando. Estava machucando. Obviamente todos sabemos que a anorexia e bulimia são doenças. Mas eu estava tão cega pela vontade de ser magra que achei que elas seriam minha única salvação. Sempre soube que era errado. E também estou ciente de que, quem me seguia/segue também sabe. No entanto, assim como eu, elas também querem ser felizes.

Nós que fomos/somos devotas à Ana e Mia, personagens criadas pelas nossas mentes para torná-las mais humanas, não procuramos apenas números menores na balança, mas sim a felicidade! Colocamos a culpa da nossa infelicidade na gordura corporal, e muitas que me seguiram nem mesmo eram gordas. Mas queridas(os), a coisa que mais doeu em mim foi perceber que a culpa não é do corpo. É do interior. Ele é que está precisando de ajuda para alcançar a felicidade.


"Por que sou tão feia?"


Eu sei que muitas aqui estão pensando "Eu sou triste porque sou gorda.", "Ninguém gosta de mim porque sou gorda.", "Só vou ser feliz quando eu for magra.", "Não aguento mais me odiar e me prender em casa.", "Quero me sentir bem comigo mesma".

Era EXATAMENTE o que eu pensava. Por isso nós ficávamos/ficamos dias sem comer ou comendo pouco, vomitando quando comíamos/comemos demais, tomando laxantes e diuréticos, tentando todos os dias odiar mais a comida e o que ela fez aos nossos corpos! Todas que fazem/faziam isso sabem que é errado e que destrói o corpo. Não estou aqui para dizer o quanto é ruim. Estou aqui para contar para vocês como é o lado de fora desses pensamentos que sitei, contar a verdade que ninguém nunca fala para a gente. Por trás do blog eu chorava, me punia, odiava, batia, escondia assim como algumas de vocês. Mesmo na minha época mais magra nunca estava realmente feliz.




Vou te fazer um pedido, pode ou não atende-lo. Pelo menos até o final deste post, esqueça todas as vezes que jurou à Ana e Mia de que iria ser magra e seguiria tudo o que elas dissessem. Esqueça as vezes que jurou ser forte e que não comeria aquela comida que estavam te empurrando. Esqueça dos motivos que você tem para ser infeliz. E esqueça todos os posts anteriores à este que já leu aqui no blog. Apenas respire fundo, abra a sua mente e me de uma chance de te contar a minha história. Por favor.


Minha História Com a Ana e Mia


Desde criança fui gorda e tímida. Uma combinação que fazia com que eu me odiasse a medida que ia descobrindo o que era ódio. Via as colegas da minha sala conversando, brincando no intervalo, sorrindo e correndo. Eu nunca participava, preferia ficar no meu canto comendo meu lanche e imaginando amigos mais legais, não aceitava ficar no mesmo grupo que elas mesmo que me convidassem, pois eu tinha vergonha de simplesmente estar ao lado delas.

Aí o bullying começou. Eu praticamente abri as portas da minha mente para que os xingamentos entrassem, a partir do momento em que descobri que me odiava. A frase "Ninguém pode fazer com que você se sinta inferior sem o seu consentimento" é verdadeira, pois seu cérebro só armazena os xingamentos que ele acha verdadeiros. E foi o que aconteceu.




"Só menina magra pode brincar com a gente."

"Volta pro seu canto, gorda"

"Gente, não sabia que essa gorda sabia falar"

"Você só fica aí comendo, credo, por isso está assim."

"Qual o tamanho do seu uniforme? Dá uns dois do meu."

"Seu braço é tão gordo e flácido."

"Professora, eu não quero sentar perto dessa gorda!"

"Baleia"

"Cala a boca e vai para uma academia."

"? Pelo menos eu sou magra."

Não vou continuar porque já deu para vocês entenderem... Sim, eu lembro de cada palavra dos meus queridos coleguinhas. Palavras machucam e marcam mais que facadas. Quem também passou por isso sabe bem como é a situação.

No 3º ano do Ensino Fundamental eu tive meu primeiro crush (o primeiro garoto do qual gostei), ele virou meu primeiro amigo, conversava todo o dia comigo e sempre que tinha a chance, lanchava comigo também. Perto dele eu desejava ainda mais ser magra, mas ele era tão gentil que chegava a me esquecer disso. Comecei a ter a famosa "paixão de infância", claro que ele não sentia o mesmo por mim, e eu coloquei a culpa na minha persistente banha.

 ... 

Fui tratada por uma psicologa durante dois anos, logo fui "diagnosticada" como uma menina mentalmente saudável e não precisava mais de terapia. Eu fiz amigas ao longo da minha vida acadêmica (sempre poucas, porém verdadeiras), fiquei mais sociável (mas não muito), até comecei a passear regularmente com as minhas amigas. O bullying era bem mais frequente no Fundamental 1, mas mesmo assim não parou, continuou durante o Fundamental 1 e 2 (do 1º ao 9º ano. Dos meus 6 aos 14 anos). Foi diminuindo progressivamente até acabar de vez. Durante todos esses anos eu prometia que começaria uma dieta para finalmente conquistar meu amado, o qual nunca deixei de gostar durante esse período.

Nunca conseguia emagrecer mais que 3 quilos, e depois acabava abandonando a dieta e ganhava todo o peso de volta. Visitei diversas nutricionistas e endocrinologistas. Nada de emagrecer. Uma época caminhava todos os dias no parque com a minha mãe e irmã, mas nunca via mudanças significativas, aí parava. O ódio por mim mesma só aumentava. Nunca tinha descoberto como era se amar.

"Eu odeio o meu corpo."

No começo do 8º ano, quando eu tinha 12 anos, descobri que aquele meu crush que nunca consegui tirar do coração estava apaixonado pela minha melhor amiga. Pois é. A pior coisa que pode acontecer para alguém na escola. Minha amiga sabia da minha eterna paixão por ele, então não deu muita bola (mesmo que aparentemente ela o quisesse muito também).

No ano seguinte, uma super bomba caiu em minha vida. Meu pai faleceu.

Guardei toda a dor que senti durante todo esse tempo dentro do meu coração. Sofria apenas o necessário em cada dia, pois a maior parte estava guardada. Eu evitava cada dia mais em abrir os cantos remotos do meu coração. Eu fui tornando-me uma pessoa extremamente sensível, muito mais do que eu era. Descontava cada lágrima e angustia na comida. Um pote de sorvete para cada dia no final de semana, pratos e pratos de comida ao longo do dia. Porcarias e porcarias sendo depositadas dentro de mim, além dos sentimentos. Engordava cada vez mais, e ficava cada vez mais triste por estar engordando. Um ciclo vicioso e sem fim. A comida também é um tipo de droga. Vicia e em excesso, faz mal.

Mas o pior ainda estava por vir. Não fazia ideia do tamanho das ondas e mais ondas de muita dor ainda iriam inundar meu coração.



 ... 

Vocês devem estar se perguntando: "Tá. Mas onde a Ana e Mia entram nessa história?". Em tudo! Foi consequência de todos esses acontecimentos na minha vida que o dia em que eu decidi segui-las chegou. Vamos lá.

O Ensino Médio estava chegando, eu ainda estava gorda, o que destruía todos os meus sonhos desde a infância. Tinha uma imagem de mim mesma idealizada desde que me entendo por gente: 

"Quando eu estiver no Ensino Médio eu serei/terei:

Magra

Alta;

Feliz

Com dentes lindos e brilhantes

Roupas apertadas mostrando minhas curvas;

Garotos babando em mim;

Popular

Unhas grandes (roia unha); 

Fazer todas morrerem de inveja;

Serei a mais linda!"




Praticamente tudo o que uma patricinha em filmes adolescentes tem. Claro que eu não tinha nenhuma das coisas realizadas. O desespero aumentou em um nível absurdo de pânico! "Sorte" minha que eu ainda tinha as férias inteiras para dar um jeito nisso. (Eu pensava que era sorte). Eu sei que essas coisas são fúteis e idiotas, mas era importante demais para mim na época.

 ... 

Enquanto eu estava no meu quarto pensando em um jeito de ficar maravilhosa em um piscar de olhos, liguei a TV e fui ver o que estava passando de animador. Foi aí que eu recebi um sinal divino (foi o que pensei), pois estava prestes a começar um filme chamado "Anorexia: A Ilusão da Beleza".

Eu tinha uma ideia formada sobre a anorexia como qualquer outra: era ruim. Para mim era uma doença que só as magras tinham, pois ficavam com medo de engordar, e que em teoria elas se viam gordas mesmo estando magras. Nada de mais passava-se na minha cabeça em relação a isso. Mesmo assim decidi ver o filme, para passar o tempo.

Foi aí, meus queridos, que minha vida mudou totalmente e absurdamente. Para quem nunca viu o filme, vou dar uma explicada rápida, só para entenderem como ele me mudou. Aqui está a sinopse:

"A adolescente Hannah conhece um site que incentiva a magreza excessiva entre meninas. Ela fica obcecada pela a ideia de emagrecer, começa a se recusar a comer e intensifica os exercícios físicos. Quando sua família percebe, procura ajuda para a filha. Mas será tarde demais?"




O filme reforça o tempo todo a quantidade de problemas que a anorexia e bulimia trazem. A garota sofre muito ao longo do filme todo. Ele não retrata nada de bom, e sim a doença vista aos olhos de quem a sofre. Mas, sinceramente, vocês acham que eu me importei com os problemas que a personagem passou a ter? A única coisa que eu pensava era o quanto ela tinha conseguido emagrecer em tão pouco tempo, e quantas meninas gordas fizeram isso para emagrecer e conseguiram!

Aquilo foi como uma luz para mim, eu achava que a poção mágica para a magreza estava finalmente diante dos meus olhos! Eu sabia o quão errado era isso, e tinha acabado de assistir as consequências de que tudo isso me traria.

Por um momento houve uma briga interna entre o meu eu "certinho" e o meu eu "rebelde". Só que aí, veio em minha mente todas as vezes que fui ridicularizada, tanto por mim mesma quanto pelas outras pessoas, sendo algumas delas da minha própria família. Sim, meus tios e primos faziam questão de lembrar-me o quanto eu era gorda. Até hoje me pergunto o que teria acontecido se meu eu "certinho" tivesse ganho.

Entrei no computador e pesquisei tudo em todos os blogs de Pró-Ana e Mia (que eram a favor da anorexia e bulimia), que ensinavam tudo o que era possível saber sobre essas doenças. Ensinavam como vomitar, usando táticas, como colocar o cabo da escova de dentes no fundo da garganta. Mostravam dietas de no máximo 500 calorias diárias, como esconder dos pais que está comendo pouco, entre outras técnicas. Fui uma aluna realmente muito comprometida, pelo menos na parte da teoria.

Comecei a seguir o máximo de coisas que me lembrava. Lia todos os dias os meus posts preferidos e comecei a fazer a dieta "Dukan", só que com adaptações dignas de uma Ana e Mia. Nunca passava de 500 calorias diárias e me afogava em água. Fui emagrecendo em um ritmo aceitável, porém nunca ficava feliz o bastante com o resultado. Não precisou de muito tempo para que eu me tornasse completamente maniaca e paranoica por tudo o que envolvesse emagrecer. Contava calorias de tudo o que tinha em casa, me pesava a cada hora para ver se já tinha emagrecido, entre outras manias que fui adquirindo.



Cada quilo a menos eu desejava perder um a mais. Era um ciclo sem fim entre emagrecer, ficar frustrada com o resultado, comer, vomitar, fazer dieta, emagrecer, ficar frustrada com o resultado, comer, vomitar, fazer dieta, emagrecer, ficar frustrada com o resultado, comer, vomitar, fazer dieta, emagrecer, ficar frustrada com o resultado, comer, vomitar, fazer dieta, emagrecer... E eu só me odiava cada vez mais por sempre achar que estava gorda, não importa quantos quilos perdia.

 ... 

As aulas voltaram. E eu esperava com todas as minhas forças que todos iriam abrir a boca e babar ao me verem mais magra. Acho que tinha perdido uns 5 kg aproximadamente, comecei a dieta quase no final das férias já que antes passei todo o meu tempo apenas lendo as "regras" que as anoréxicas devem seguir e aprendendo tudo sobre como ser uma.

Para minha surpresa e revolta, ninguém se importou com o estado do meu corpo. Nem mesmo minhas amigas. Eu me senti uma... gorda. Ou seja, apenas desejei mais fortemente emagrecer sem parar. Depois de algum tempo, quando já tinha perdido uns 10 kg, decidi montar meu próprio blog sobre o assunto, para ajudar pessoas obesas que assim como eu queriam emagrecer e serem felizes. Eu achava mesmo que estava fazendo a coisa certa.

Fiz incontáveis dietas, como a da USP, sopa, maçã, leite, etc. Nunca parava e nunca cansava. Minha mãe e irmã sempre me apoiaram em faze-las, já que eu realmente sempre fui muito gorda, e nenhuma das duas tinha tempo para prestar atenção nos gramas de comida que eu ingeria. Além disso, fui me afastando cada vez mais de todo mundo. Só pensava na Ana e Mia o tempo todo. Eu também me entupia de laxantes e diuréticos para me punir quando comia demais e ajudar a tirar a comida ingerida do meu corpo.



 ... 

Esse ciclo de procura à magreza se estendeu até que eu finalmente consegui perder 17 kg. Foi então que tudo mudou, outra vez. Tinha completado o 1º ano do Ensino Médio. Desde que ele tinha começado eu havia notado que estava muito mais irritada, triste, afastada das pessoas e pensamentos cada vez mais frequentes de suicídios. Sentia uma dor tão forte que se tornou um vazio. Além das constantes tonturas, dores, cólicas, fraquezas, sono, preguiça...

Então eu simplesmente pirei.

As férias estavam tão longas, eu estava tão cansada de ficar presa e evitando sair do quarto para não comer, que larguei tudo. Parei de fazer dieta, de me importar com qualquer coisa que envolvesse emagrecer, guardei a balança, joguei os remédios fora, parei de postar no blog, deletei o grupo do WhatsApp. Simplesmente joguei tudo pro alto e ataquei a geladeira.




Eu só queria morrer! Para mim não importava mais se meu cadáver seria magro ou gordo. Eu só queria me matar. Cada dia que eu passava sem sucesso em cometer suicídio, era mais um dia que a geladeira era completamente devorada. Todas as horas que eu passava acordada eram pensando em como eu iria tirar a minha vida. Montava planos e planos de como faze-lo. Enquanto isso, comia, claro. Eu chorava tanto que nem conseguia respirar pelo nariz, já que ficava constantemente entupido. Não saia do quarto escuro e gelado. Pouco me importava com qualquer coisa além de morrer.

Sabe aquela dor que eu tinha guardado lá no fundo do meu coração? Ela foi se soltando ao longo daquelas férias inteiras que eu passava comendo, chorando e me lamentando. 

Não pensem que eu fiquei assim pois saí da dieta! Na verdade eu saí da dieta porque fiquei assim!

Já não aguentava mais nem o som do meu próprio pensamento, que só sussurrava xingamentos e palavras venenosas. 

Lembra daquela lista de coisas que eu tinha desejado na infância? Então, eu consegui realizar TUDO da lista! Menos uma coisa... "Ser feliz".


"Estou bem."

Para mim o "ser feliz" seria facilmente alcançado quando as outras coisas da lista fossem conquistadas. Estava tão enganada... No começo do ano seguinte, no 2º ano do Ensino Médio, decidi contar para a minha mãe que estava com depressão. Então fomos ao psiquiatra e fui diagnosticada com depressão, ansiedade, síndrome do pânico e esquizofrenia leve. Comecei a fazer tratamento com psiquiatra e psicologa. Também comecei a tomar um remédio chamado "Zoloft", que era considerado extremamente forte para a minha idade (15 anos).

 ... 

Quando o ano letivo começou eu estava completamente ferrada e nem um pouco preparada para começar a estudar. Estava muito machucada tanto por dentro quanto por fora. Mesmo com tratamento e medicação, não conseguia encontrar uma razão para continuar vivendo.

O tempo foi passando, o remédio começou a fazer efeito, tentava ao máximo ir para a aula e não reprovar, mas não conseguia de jeito nenhum voltar para a Ana e Mia. Tentava muito recomeçar, até vomitava algumas refeições as vezes, porém, logo desistia, também tentei muitas vezes começar uma dieta, mas logo largava. Então, decidi me concentrar apenas nos estudos pelo menos até o final do 2º ano.

A medida em que o ano passava eu engordava mais. Precisei mudar o remédio para uma dosagem mais forte pois não estava querendo fazer nada além de dormir e comer. O vazio dentro de mim continuava mesmo que em alguns momentos ele tirasse uma folga. Eu me sentia uma fracassada. Uma inútil. Um monstro que deveria ser morto e machucado. Nada me fazia sorrir de novo. Cada dia era uma tortura. Foi nessa época em que me cortei pela primeira e única vez.




Estava quase reprovando na escola. Tinha voltado ao meu peso inicial, o que estava antes de ter começado a fazer dieta. Parei de ver meus amigos, abandonei o blog, parei de fazer todas as coisas que antes eu gostava de fazer. Estava mais morta que viva.

 ... 

Sempre fui uma pessoa religiosa. Sou cristã e mesmo quando seguia a Ana e Mia nunca deixei de rezar. Claro, eu me sentia culpada, uma parte de mim sabia que Deus estaria triste comigo por eu ter feito tudo aquilo com o meu corpo, mas eu estava tão cega pela perfeição que ignorava isso, fingia que não estava fazendo nada de errado. Nessa época eu rezava mais que nunca. Chorava todos os dias segurando o terço até adormecer. Então, Ele me deu uma ajuda. Claro que não foi só ele, minha terapia, remédio e acupuntura ajudaram imensamente. 

Voltei para a escola e consegui passar de ano! Voltei a ver e falar com meus amigos, fiz uma amizade maravilhosa com a minha mãe e irmã, comecei a cuidar mais de mim e ser mais vaidosa. Não tinha voltado para a dieta. Estava mais gorda que nunca. Mas por algum motivo eu estava mais feliz do que já estivera a muito tempo! Saí de férias para a praia e consegui usar um maiô pela primeira vez em muito tempo! Parecia que eu finalmente tinha aceitado o meu corpo como ele era! Estava tão feliz e satisfeita!

 ... 

Infelizmente, a felicidade não durou muito. Logo que o ano letivo voltou, recebi uma tijolada na cabeça por conta da pressão em estar no 3º ano do Ensino Médio. Onde tudo é ENEM e vestibular. Antes era o fato de eu ser gorda que me fazia ficar horas sem dormir martelando minha mente, agora, meus queridos, é a maldita escola. Tive que mudar o meu remédio para o anti depressivo mais forte vendido no Brasil. Meu ano, que começou tão animado e cheio de esperança, está o maior fundo do poço em que já estive. 

Lembra daquele dia que contei? O dia antes de jogar tudo pro alto, quando tinha finalmente perdido 17 kg? Engordei 28 kg desde aquele dia. Sabe como eu me sinto? Dane-se. Se eu pelo menos estivesse feliz, estaria melhor.

Todos os desejos que tive antes, agora se foram. Joguei todos no lixo. A única coisa que importa para mim é conseguir finalmente ser feliz! Não quero mais ser magra, parar de roer unhas, que sintam inveja de mim, ter roupas bonitas, ser bonita, passar de ano. Nada mais importa. Só quero um pouco de felicidade.

Eu já não era mais Ana e Mia à muito tempo. E eu sabia disso. Só não tinha oficialmente encerrado essa fase da minha vida, pois continuava tentando voltar. Agora, está na hora do adeus.




Não estou colocando a culpa na anorexia e na bulimia, mas um dos vários sintomas das duas doenças é a depressão. Será que foram elas que trouxeram esse redemoinho para minha vida? Algo que eu estava esperando que fosse minha salvação acabou sendo o meu fim?

Mesmo com todos esses sentimentos malignos rodeando minha cabeça, decidi fazer algo de bom e produtivo. Por isso, vou reformar e limpar completamente o blog de qualquer resquício de Ana e Mia. Pois um vídeo que assisti do meu Youtuber preferido fez com que eu sentisse nojo de ter criado esse blog, pela primeira vez. 

Ele abriu de forma tão ampla a minha cabeça que foi fechada pelo desejo de ser magra, que eu preciso compartilhar cada detalhe da minha experiencia com vocês! Espero que você fique até o final! O melhor ainda está por vir! Pense bem, vale a pena ler sobre um vídeo que conseguiu fazer com que uma garota, perdida na vida, queira levantar da cama e transformar a cagada que fez em algo lindo e produtivo!



O Vídeo Que Mudou Minha Cabeça



PUGLIESI: SEJE MENAS - Felipe Neto





Relaxem que o título é só para chamar a atenção! Ele não tem nada contra a Pugliesi, é só um jeito de dizer para você parar de glorificar um corpo que não é o seu, pois o seu corpo é tão lindo quanto o de qualquer outra pessoa. E por favor, mesmo que vocês não gostem do Felipe Neto, vejam o vídeo e leiam sobre o que vou dizer a respeito, por favor, por mim. A sua leitura é muito importante para mim.

O Felipe Neto gravou esse vídeo com uma ex bulímica chamada Mirian Bottan, que sofreu com a doença durante 15 anos. Nele eles falam sobre como a mídia não só criou um corpo inexistente, como também montou uma fábrica de garotas complexadas e infelizes com seu corpo. Vou comentar sobre todos os assuntos abordados no vídeo e demonstrar como eles são tão válidos que até mesmo se encaixam perfeitamente em minha vida! E provavelmente vai se encaixar na sua também!

 ... 

É de conhecimento universal que a comida compensa frustrações, tanto emocionais quanto físicas. Fazendo com que comer seja a fuga que muitas pessoas tem para sentirem uma felicidade imediata, porém, curta. Contudo, foi relevado no vídeo que os três problemas que as pessoas, principalmente mulheres, sofrem são: Transtornos alimentares (anorexia, bulimia), depressão (geralmente com alto-mutilação) e violência sexual (tanto física quanto mental, assédios de maneira geral). Baseado no conteúdo das cartas de fãs que o Felipe Neto recebe. Eu mesma já sofro/sofri dos três

A frase usada por Felipe Neto em vários vídeos, quando toca-se nesse assunto, é: "Se beleza é a única coisa que você tem para oferecer pro mundo, você não tem nada para oferecer ao mundo."
Existem mulheres que cultuam única e exclusivamente o corpo. Não há nada de bom sendo oferecido para quem segue esse tipo de conteúdo, já que a casca que você carrega não é a única coisa que você tem para oferecer.

Principalmente na adolescência, comemos muitas vezes por ansiedade, e engordar é inevitável durante o crescimento do corpo. No entanto, comida vicia e é uma droga como qualquer outra, podendo fazer com que você engorde mais que o normal. Comemos para sentirmos-nos preenchidos. A sociedade pressiona demais para entrarmos em um molde que a maioria não se encaixa. E que nunca caberemos, já que somos todos diferentes! Não cultue um corpo impossível de ser alcançado! Pois ele não existe! Não existe um corpo único e completamente perfeito, que todas nós temos que tê-lo. Isso é completamente irreal. Acabamos achando que é importante ser algo que não somos.




No mundo em que nós vivemos uma mulher não pode pesar 100 kg de jeito nenhum. É julgada como gorda, sedentária, não saudável e nojenta. Sendo que tem muita gorda que é bem mais saudável que muita menina magrinha. Por exemplo, eu no passado. Sempre fui gorda, mas antes de conhecer a Ana e Mia meu colesterol ruim era baixo, o bom era alto, glicemia baixa, e outros exames, todos exemplares. Agora, depois de ter vomitado e quase adquirido uma anemia por deixar de comer, meus exames estão péssimos. Além de eu ter adquirido estrias que antes nem sonhava em ter. Mesmo assim tem muita magra por aí com os exames piores que o meu e com o corpo bem mais judiado.

As mulheres que vemos na televisão, revistas, sites, blogs e vídeos passam o dia todo pensando e cuidando do corpo, pois recebem dinheiro e fama para justamente continuarem fazendo isso! Além de todos os produtos dado à elas pelos patrocinadores, elas contam com a ajuda do Photoshop em todas as fotos publicadas. A consequência disto são várias garotas infelizes e desprezando a si próprias. Existem homens bulímicos e anoréxicos também, mas eles não tem a pressão em cima do corpo como as mulheres, além de ser muito mais fácil para eles emagrecerem e isso já foi provado cientificamente.

Depois de verem todos os padrões de beleza aos quais não conseguem se encaixar, as mulheres em busca da auto-aceitação e a aceitação social, começam a vomitar a comida que comem ou param de comer. Comprometendo não só seu corpo como seu estado mental, assim como os meus. O motivo da comilança muitas vezes é apenas a infelicidade por não se sentirem bonitas também.






Quantas mulheres aqui já postaram a primeira selfie que tiraram? Eu e minhas amigas tiramos no mínimo umas 100 para postar apenas uma e ainda com filtro e outras modificações. E outras mulheres olham a foto que você ficou horas para tirar e editar e pensam "Nossa, que linda, que pena que eu não sou ela... queria tanto ter esse corpo e rosto." e aí ela vai e tira mais 100 fotos para escolher o melhor ângulo, a que ela está mais magra, com melhor iluminação e ainda editar. É um ciclo vicioso que vai criando uma linha de pessoas que se acham cada vez mais feias.

Muitos perfis que enaltecem essa beleza inatingível, são tão voltados para a estética que a vida delas, do momento que elas acordam até o momento em que vão dormir, é pensando no corpo. As mulheres do dia a dia não conseguem abdicar do trabalho, rotina diária, falta de tempo, para se adaptar à uma rotina impossível de acompanhar e ter o corpo tão desejado de uma mulher que ganha a vida fazendo isso.

Como por exemplo a Gabriela Pugliesi. Ela ganha dinheiro e fama para propagar seu corpo, usando diversas marcas e postando diversas fotos na academia, comendo alimentos saudáveis e usando roupas curtas para mostrar o corpão. Ela simplesmente mostra o cotidiano de uma pessoa devota à essa vida saudável, fitness. No entanto, a maioria das mulheres a seguem por ela ser um exemplo de corpo ideal, um corpo que é o sonho de muitas meninas.






O Felipe dá o conselho de dar Unfollow no perfil dela caso você a siga só por desejar ter o corpo que ela possui. Pois, segundo ele, as fotos dela interferem negativamente em sua vida, afetando o seu subconsciente. A inspiração não é o suficiente. Eu mesma, por exemplo, sempre acompanhei e vi fotos de pessoas magras e fitness, e mesmo assim nunca fui magra. Continuar reforçando que alguns tem a capacidade que você pensa não ter, só te trará desprazer.

 ... 

Para vencer, você precisa conhecer à si próprio. Saber o que te faz bem, o que te deixa feliz ou infeliz. Não adianta você se trancar em um mundo utópico, seguir essas personalidades super magras e pensar "Um dia eu serei assim", pois você só ficará o tempo todo alimentando essa amargura. Você deve saber quem você é e onde você quer chegar, respeitando suas próprias limitações

A segunda coisa é cortar o que te faz mal. Tenha a humildade de admitir sentimentos ruins, pois isso é algo que muitas pessoas não aceitam. É permitido que você sinta inveja de algumas coisas, sim. É normal, todo mundo sente. Corte essas coisas da sua vida! É uma falta de respeito com você e com seus desejos colocar comida na boca e cuspir, só te trará um sentimento ruim em vez de sentir prazer em comer algo que você gosta. 

O conselho que Mirian Bottan deu foi parar de chamar "O Dia do Lixo" desse jeito. Segundo ela, você não acha essa comida no lixo, então não deve chamá-la assim. Muitas pessoas nesse país nem mesmo tem condições de comprar, por isso seria um pecado desperdiça-la. Se você disser para si mesma que está comendo lixo, você nunca aceitará comer aquele alimento em paz e harmonia consigo mesma. O que odiá-lo trás de bom em sua vida?



Mirian Bottan dá algumas dicas de como se recuperar caso você tenha um transtorno alimentar, ou caso você deseje ter um.

1- Nutricionista: Não é só porque a pessoa tem um diploma na mão que signifique que ela é o profissional mais indicado para você. Tem que ser um profissional que não te obrigue a cortar coisas e que não tire um cardápio pronto de uma gaveta qualquer e te entregue. Cada pessoa tem um organismo diferente, ele deve fazer um cardápio mais indicado para você. 

Para alguém com compulsão alimentar é completamente ilusório conseguir cortar coisas como leite, massas, molhos, doces, pois depois de algum tempo você terá uma compulsão séria, por estar se privando desses alimentos, e depois acabar vomitando tudo. Pode até mesmo acabar desistindo do tratamento.

Mirian recomenda os nutricionistas esportivos já que fazem uma dieta mais equilibrada, não cortam nenhum tipo de alimento e constroem um cardápio digno do seu consumo. 

2- Terapia: Eu faço terapia à 2 anos. Se não fosse pela minha psicologa e meu psiquiatra, com certeza já teria cometido suicídio. Felipe Neto sempre diz em seus vídeos que terapia é para todos, pois todos nós possuímos inseguranças, medos, complexos, ideias mal formadas no nosso cérebro enquanto amadurecíamos. Você passará a compreender melhor seu próprio pensamento. 

Nesse momento você precisa de todo o apoio possível para sair dessa zona de conforto e do muro que construiu em sua mente. Mas assim como o conselho anterior, não é qualquer profissional que fará milagre em sua vida, existem vários estilos de terapeutas e cabe à você buscar o que se encaixa melhor em sua vida. Eu mesma demorei meses para achar os meus salvadores.

 3- Recaídas: Elas inevitavelmente acontecerão. Temos que aprender a conviver com as recaídas pois elas podem fazer com que o tratamento pare no meio se não entendermos que elas fazem parte do processo. Não vai ser de um dia pro outro que você vai tirar o fato de engordar da sua cabeça. O importante é acordar no dia anterior não se achando a pior pessoa do mundo, e seguir em frente. Muita gente passa pela mesma coisa que você, não se preocupe.

"Lembre-se, você não está sozinho."

 ... 

Aceite sua condição e que você tem um problema. Para você que está nessa vida e acha que Ana e Mia serão sua única salvação: Repense. Eu realmente espero que seu futuro seja brilhante não importa a decisão que você tomar. 
Por favor, assistam o vídeo para ter todas essas informações de maneira completa. Outro exemplo vivo de como os transtornos alimentares são sérios, é a Demi Lovato. Acompanhe a história dela e não se arrependerá.

Caso queira acompanhar a Mirian e ver o que ela tem a dizer sobre isso, aqui estão as redes sociais e o canal dela, onde ela fala sobre o projeto "Precisamos Falar":


Twitter: mbottan
Instagram: mbottan
Facebook: /mibottan



Reflexão Sobre o Mundo Feminino


A beleza é algo muito relativa, tanto para cada pessoa quanto para cada época e país. Não existe perfeição. Todos são iguais e diferentes ao mesmo tempo. Você acha que as modelos não tem compulsões ou que não choram depois de pisar na balança? Se pensa assim, está muito enganada. Até a Pugliesi tem dias de preguiça. Mas o corpo de cada uma é diferente, não importa o quanto você emagreça ou engorde. Mesmo se você tiver o mesmo peso de alguma modelo, pode ser que seu corpo não se pareça nem um pouco com o dela. Não se odeie por isso!

O mais importante de tudo: o que você vê em fotos não é real! Assim como você modifica suas fotos com filtros e truques, as modelos também fazem isso!





















Os famosos tentam esconder com remédios, cosméticos, plásticas, Photoshop, filtros, mas a verdade é que todos envelhecemos, engordamos, emagrecemos, temos celulite, estrias e espinhas! Não se sinta um monstro só por não estar enxergando o que eles querem que você não enxergue! 

A verdade é que ninguém nunca está 100% satisfeito com quem é. Talvez isso nunca mude, mas podemos sempre tentar ficar cada vez mais perto dos 100%. E para isso não precisamos mudar, e sim aceitar e amar aquilo que já temos.

Por favor, assistam os vídeos a seguir, aposto que você vai se identificar com eles. E veja neles também como é a beleza através da história e do mundo.




Women's Ideal Body Types Throughout History


17 comentários:

  1. Parabéns Mandy Donzela!!! Fico muito feliz com a decisão que tomaste!!! Meus sinceros parabéns! És uma garota muito especial!
    Com o seu novo blog estarás ajudando muitas garotas! Fico muito feliz por esse seu trabalho. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, muitooooo obrigada!!! Você não faz ideia do quanto me deixou feliz com isso! A única coisa que eu quero é ajudar, espero mesma que eu consiga, muitoooo obrigada! <3 <3 <3 Por favor, volte sempre!

      Excluir
  2. Oii mandy ♡
    Eu fico bem feliz com a decisão que tomou, mesmo que eu não vou deixar a Ana ou a Mia até eu atingir minha meta, estou feliz pela sua opção. Se você está feliz assim, eu fico feliz por você ^^
    Pra mim, oque importa, é ser feliz, mas com este corpo não sou feliz e nunca serei até chegar na minha meta.
    Mas como você conseguiu, fico muito feliz ^^ desculpe-me por não poder abandonar a Ana ou a Mia, eu não consigo e realmente não quero ajuda alguma, me perdoe.

    Mas saiba que estou contente por você ♡ espero que fique bem ♡ vou tentar acompanhar o novo blog de vez em quando ^3^

    BEIJOS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muitoooo obrigada querida, você é um amor <3 Não precisa se desculpar por não conseguir deixar a Ana e Mia, eu mesma um tempo atrás mesmo se lesse tudo isso também não deixaria. Nós precisamos trilhar nosso próprio caminho em busca da felicidade. Eu te desejo toda a sorte do mundo e toda a felicidade <3 obrigada pela suas palavras gentis <3 Sim, volte sempre, por favor! Qualquer coisa estou aqui! Mas lembre-se que você pode emagrecer mesmo sem a Ana e Mia :) <3

      Excluir
  3. Nunca pensei que a ana fosse me abandonar duas vezes. Eu tinha 80kg e eu consegui chegar ao 56, mas recentemente empaquei e nossa, me sinto sem chão porque minha meta é e sempre foi o 45. De qualquer forma, fico feliz por você. Isso fará falta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sally! Eu não acho que você vá entender de inicio, assim como eu também não entendi. Mas, não foi a Ana que te abandonou, esse deslize que aconteceu com você também aconteceu comigo. E aconteceu porque você quer descontar os problemas da vida comendo, assim como eu. Isso só prova que a Ana não te ajudou a ficar magra, ela te ajudou a emagrecer. E tudo o que ela dá, ela tira de volta. Infelizmente só seremos realmente magras quando aprendermos e comer do jeito certo :/ Espero que você seja feliz não importando a sua decisão! Estarei aqui sempre! Beijos <3

      Excluir
    2. Além disso, a Ana não nos ajuda a resolver os problemas da vida, na verdade ela cria mais. :c Eu sei, é difícil de acreditar. Espero que vocês não aprendam do jeito difícil como eu. Boa sorte e seja feliz <3

      Excluir
  4. Nossa!
    Conheci o teu blog a dias e tinha muitas dicas pra uma ana/mia. Hoje encontro todo remodelado, wauuu! impressionante.

    Olha Mandy estou muito feliz por você e espero um dia tbm poder deixar essa vida hh

    Boa sorte e que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, e ainda tem muito mais por vir! Estou montando o blog inteirinho de novo e logo mudarei o estilo completamente ;) Também espero que um dia você consiga sair dessa vida... Leia os futuros posts que juro que não se arrependerá! Boa sorte com tudo e seja feliz! <3 Que Deus te abençoe

      Excluir
  5. Eu achi super legal a iniciativa, apesar de não concordar com tudo. Sou ana a pouco tempo (uns 7 meses) e meu menor peso foi 44,5kg. Infelizmente engordei um kilo, mas ainda espero ficar com 40 kg até o fim do mes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo apoio! Nossa, esse peso está assustadoramente baixo... continue viva, por favor! Se precisar de qualquer coisa estarei aqui!

      Excluir
  6. Oi querida! Eu amei seu blog!
    Amei ler cada post seu -e olha que acabei de conhecê-lo, literalmente.- Parabéns por sua atitude e por escrever tão bem!
    Visite meu blog Liberta da Ana e Mia.
    Quem sabe podemos fazer uma parceria?
    beijinhos e sucesso!
    Ass.: Uma ex Ana e Mia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá linda, obrigada pelo apoio e pelo lindo comentário! Com certeza lerei o seu blog, estou muito feliz de ver que não sou a única com uma nova visão! Te desejo todo o sucesso do mundo e que você continue sempre firme! Beijos!

      Excluir
  7. Ola eu estava procurando blogs pra me ajudar a começar ser ana e mia...e por acaso cheguei nesse novo blog seu...e começei a pensar q sera q eu devesse me aceitar de verdade quem eu sou...é muito dificil me aceitar..ainda mais quando todo minha familia tem preconceito com gordinhas...eu realmente nao sei como ser feliz sendo gordinha....

    ResponderExcluir
  8. Peso 98kg não sei mais o que fazer pra chegar aos 70 kg e ser feliz literalmente.

    ResponderExcluir
  9. Oie, eu não sou ou fui anoréxica, mas estou em uma dieta, digamos 'aceitável". Incrível sua história e bastante inspiradora. É incrível mesmo você ter se recuperado, mesmo que tivesse muita dor e sofrimento com isso. Não espero ser PróAna ou qualquer coisa assim. É claro que todo mundo quer perder uns quilinhos a mais e sentir bem consigo mesmo, mas é realmente uma burrice você se espelhar em outras que você sabe muito que não será igual a elas. Eu não só estou fazendo essa dieta, como também vem acompanhada de exercícios e informações de alimentos na internet, não para ser aceita na sociedade ou algo assim, apenas para me sentir bem comigo mesma, eu posso me odiar, mas por outros motivos e não por minha aparência. Sério, eu adorei você. Eu sei que um tempo eu vou perder meu controle, mas sabe... meu psicológico está destruído há vários anos e eu nem sei porque ainda estou viva e sim, eu já me corte. Sua história não só me ajudou a abrir um pouco mais minha mente, como também me deixa um pouco mais feliz. Vou até favoritar esse blog e acompanhar porque eu já vi que ele é incrível. Bem, bjos!

    ResponderExcluir
  10. Oi, esse seu post mecheu demais comigo, tô sem palavras pra explicar o quanto tô feliz de você ter decidido sair de vez dessa vida. Eu já fui ana/mia há dois anos atrás, tinha um tumblr onde influenciava várias garotas a ir por esse caminho e vários grupos de whatsapp pra isso, depois de muita coisa que aconteceu eu decidi abandonar tudo, exclui os grupos, exclui o tumbr e "sai" dessa vida.. Dois anos se passaram e eu desesperada venho correndo pra esse mundo de novo, e achei seu blog, à mais ou menos um mês atrás, e tava adorando, mas não tava feliz por ter que voltar há quem já acabou comigo, me destruiu.. E aí você vem e faz uma postagem dessas, eu li inteiro, prestando atenção em cada idéia que você queria passar e me fez lembrar de todos os motivos que eu sai dessa vida e que não quero entrar nunca mais. Sou muito grata por ter conhecido seu blog, ainda mais nesse momento.. Sou muito grata por ter tido a oportunidade de ler uma história exatamente como a minha vinda de uma pessoa que parece ser maravilhosa.. Obriga por isso, me fez ver relembrar de todos momentos horriveis que passei com essas doenças, e que se não fosse por esse texto eu poderia embarcar nessa jornada de novo e dessa vez sem volta. OBRIGADA!!! Quero desejar que você consiga viver sem essas doenças, que não tenha recaidas, e que consiga ser feliz sem depender de remédios, que se aproxime cada vez mais da sua irmã e da sua mãe.. Espero que não cogite NUNCA MAIS a idéia de voltar por esses caminhos, mas que se um dia pensar em voltar tenha a sorte que eu tive de encontrar uma publicação que te faça ver que não vale a pena.. Você parece ser uma garota maravilhosa, nem sei se vai ler esse comentario inteiro, mas desejo que você seja muito feliz. Parabéns pela atitude, boa sorte e um abraço. <3

    ResponderExcluir